Notícias

02/09/2020

Índice de Confiança do Consumidor sobe pela segunda vez seguida, mostra ACSP

INC de agosto atinge 83 pontos em agosto, contra 79 em julho; classe C é o destaque entre os que estão menos pessimistas com a economia  

 

O otimismo dos brasileiros com relação aos rumos da economia voltou a subir no mês de agosto, conforme mostrou o Índice Nacional do Consumidor (INC) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

O índice fechou em 83 pontos, mostrando a segunda alta seguida. Foram registrados 79 pontos em julho e 77 em junho. Embora os números continuem no campo do pessimismo (abaixo de 100 pontos), indicam uma expectativa de recuperação da economia em crise por conta dos efeitos da Covid-19, conforme ressalta o economista da ACSP, Marcel Solimeo.

O grande destaque nos índices de recuperação foi a classe C, que atingiu 94 pontos, 11 acima da média geral.  A alta, também a segunda seguida, foi expressiva: em julho, o índice era de 85 pontos.  Enquanto a classe D/E mostrou uma recuperação de 65 para 67, a classe A/B ficou nos mesmos 75 pontos em julho e agosto. “O início da flexibilização, somada ao pagamento do auxílio emergencial, que deve ser prorrogado, ajuda a explicar os números da classe C”, explica o também economista da ACSP, Ulisses Ruiz de Gamboa.

Em relação à vida que estão levando hoje, pensando na economia, também há uma clara tendência de menos pessimismo captada pelo INC. O índice de pontos que apontou “muito satisfeito + satisfeito” subiu de 26 para 33 pontos. Foi o segundo melhor resultado do ano, só perdendo para fevereiro, com 37 pontos. Em contrapartida, os números do quesito “muito insatisfeito + insatisfeito” despencaram para 50 pontos, contra 52 em julho. Foi o menor número de 2020.

Em relação ao INC por região, o destaque é o Sudeste, que subiu para 92 pontos em agosto, nove pontos a mais que julho. Enquanto Sul, Centro-Oeste e Nordeste mostraram uma leve subida na confiança, o Norte foi a única região do País que apresentou queda, passando de 82 pontos em julho para 78 em agosto. “Principalmente em São Paulo, a média móvel de casos de Covid-19 está caindo, o que traz um aumento da confiança no Sudeste”, avalia Ruiz de Gamboa.

 

As perspectivas da economia brasileira para os próximos seis meses também estão melhorando. O INC dos que acreditam que daqui há seis meses estará “muito melhor+ um pouco melhor” saltou de 39 para 48 pontos de julho para agosto, o segundo melhor resultado do ano, só perdendo para fevereiro, com 63 pontos, número que foi obtido antes dos efeitos mais drásticos da pandemia de Covid-19. Enquanto isso, os mais pessimistas, inseridos entre “muito pior + um pouco pior” registraram uma queda de 20 para 15 pontos no mesmo bimestre.

Os entrevistados também avaliaram que as perspectivas de investimentos melhoraram. Houve uma melhora na pontuação de pessoas que, comparando com seis meses atrás, acreditam que podem investir no futuro (incluindo aposentadoria e educação para os filhos), de 33 para 37 pontos entre julho e agosto. Já a pontuação dos que que avaliam que podem investir menos registrou, no mesmo intervalo, uma mudança de 36 para 32 pontos.

De acordo com Ruiz de Gamboa, o aumento da confiança no futuro próximo deve ter reflexos no consumo, com benefícios ao setor do comércio. “A predisposição do consumidor em comprar pode gerar efeitos positivos para os próximos seis ou sete meses”, avalia.

O INC mostrou também que há uma reação sobre a confiança em relação ao emprego, comparando-se com seis meses atrás. O índice dos que acreditam em melhora subiu de 24 a 28 pontos entre julho e agosto, enquanto a pontuação dos que acreditam em menos empregabilidade recuou de 42 para 38 pontos. “Conforme o trabalho foi sendo retomado, os trabalhadores tendem a ficar menos inseguros com relação a manutenção do emprego”, ressalta Solimeo.

Nova metodologia

Desde 2005, a ACSP, por meio do seu Instituto de Economia Gastão Vidigal, mede os índices de confiança do consumidor para antecipar o comportamento da atividade econômica e orientar o varejo na tomada de decisões.

 

Os economistas da ACSP, em parceria com a Behup, startup especializada em tecnologia e inteligência de dados, desenvolveram uma nova metodologia, mais moderna e abrangente, com entrevistas realizadas via painel mobile, totalmente compatível com a anterior, utilizada até dezembro de 2019.

A pesquisa, iniciada em janeiro, é realizada com uma média de 1,5 mil entrevistados por mês através de uma amostra representativa da população brasileira.

Tal como o anterior, o INC da ACSP/Behup varia entre zero e 200 pontos, sendo que o intervalo de zero a 100 contempla o campo do pessimismo e, de 100 a 200, do otimismo. A margem de erro é de três pontos.

Clique abaixo e acesse a pesquisa completa:  INC Agosto/2020

https://acsp.com.br/public/upload/gallery/PDF/relat%C3%B3rio_acsp_nacional_08_2020.pdf

Texto: Assessoria de Imprensa/ ACSP

Acesse: acsp.com.br

Sobre a ACSP: A Associação Comercial de São Paulo (ACSP), em seus 125 anos de história, é considerada a voz do empreendedor paulistano. A instituição atua diretamente na defesa da livre iniciativa e, ao longo de sua trajetória, esteve sempre ao lado da pequena e média empresa e dos profissionais liberais, contribuindo para o desenvolvimento do comércio, da indústria e da prestação de serviços. Além do seu prédio central, a ACSP dispõe de 15 Sedes Distritais, que mantêm os associados informados sobre assuntos do seu interesse, promovem palestras e buscam soluções para os problemas de cada região.

 

 

 

Voltar


Links Úteis